terça-feira, 8 de julho de 2008

Alimentação Saudável: Motivação Precisa-se

Margarida Rodrigues, Enfermeira Graduada do Centro de Saúde de Eiras


Sobre alimentação saudável muito se tem falado e continua a falar-se. A informação chega às nossas casas através da televisão, jornais, panfletos distribuídos nos Centros de Saúde, nas Revistas da Farmácia, etc.
Se em outros tempos era a falta de conhecimento que prevalecia, hoje em dia esse problema não se coloca. Mas então qual a razão para o contínuo aumento de doenças como a diabetes, a obesidade, etc? Questionamo-nos: onde é que reside o problema?
Na motivação para alterar hábitos de anos! Na vontade de fazer uma alimentação equilibrada! No tempo para a preparar! No dinheiro! Ou será que estas são só desculpas para uma sociedade que está pouco motivada?
Primeiro, vamos motivar-nos, vamos tomar consciência da importância de uma alimentação saudável e em seguida, vamos agarrar no conhecimento e colocá-lo em prática.
É fundamental ter uma alimentação variada, optando por alimentos mais saudáveis sem, contudo, ter que abdicar por completo, daqueles alimentos menos saudáveis de que tanto gostamos. O segredo está na frequência do seu consumo, ou seja, alimentos saudáveis devem ser consumidos diariamente e várias vezes ao dia, e os menos saudáveis uma a duas vezes por semana.
Por outro lado, é premente procurar estabelecer um equilíbrio entre a energia que se consome e a energia que se gasta, ou seja, não se deve consumir mais energia do que aquela que se consegue gastar. É também essencial fazer 5 a 6 refeições por dia, ou seja, distribuir os alimentos ao longo do dia, e não estar mais de 3 – 4h sem comer. O objectivo é “comer pouco e bastas vezes”, educando o organismo a eliminar a energia conforme é consumida. Caso contrário, se ficarmos muitas horas sem comer, o organismo vai ter necessidade de reter energia, provocando uma acumulação de gordura e o consequente aumento de peso.
Os valores de energia médios recomendados pela Direcção-Geral da Saúde para adultos saudáveis variam usualmente entre as 1800 e as 2500 calorias (1500 a 1800 calorias para as mulheres e 2000 – 2500 calorias para o homem), tendo sempre em atenção o estilo de vida da pessoa, nomeadamente o gasto ou não com actividade física.
Exemplo de um esquema alimentar:
Pequeno-almoço:
- 1 Copo de leite meio-gordo
- Cereais não refinados
- Uma peça de fruta


Meio da manhã:
- 1 Iogurte
- 3 Bolachas simples


Almoço:
- Sopa de legumes (2 conchas)
- Peixe ou carne
- Massa ou batata ou arroz
- Hortícolas (salada, nabos, couves)
- 1 Peça de fruta


Meio da tarde:
- Peça de fruta
- 1 Pão escuro ou mistura


Jantar:
- Refeição semelhante à do almoço, de preferência em menor quantidade, procurando alternar sempre o peixe e a carne e variar na fruta consumida à sobremesa.


Antes de ir para a cama, se tem por hábito deitar-se mais tarde, deve neste caso comer / beber:
- Uma infusão quente de cidreira ou camomila
- 2 Bolachas simples


Faça da água a sua bebida de eleição, bebendo no mínimo 1,5 l de água por dia.


EXPIRIMENTE E SINTA A DIFERENÇA!

1 comentário:

lms1956 disse...

Ou seja que é mais fácil evitar do que cometer e que andamos a pagar trataamentos quando o mais fácil e óbvio está à nossa frente. Gordura não é formusura!
Trabalhos nórdicos dizem que crianças gordas aos 9 meses têm maior risco de enfarte do miocárdio aos 35 anos. E estudos ingleses que em cada ano há diabetes do "gordo ou idoso" em cada vez mais crianças, porque são cada vez mais gordas. Há que investir no que aqui se diz.
LMS